Blog Psicodrama

Artigo II – Aplicações do Sandplay Psicodramático no campo Psicoterápico e Socio-Educacional

cab_artigo_ii

Este texto visa refletir a respeito do percurso do Psicodrama enquanto abordagem aberta à criação de novas estratégias e técnicas, numa visão transdisciplinar. Apresentamos o relato de uma pesquisa que temos desenvolvido a respeito do que denominamos de Sandplay Psicodramático. Este é um jogo desenvolvido na caixa de areia, inspirado na técnica clássica do Sandplay da abordagem junguiana, porém adaptado ao contexto teórico e prático do Psicodrama e ampliado para o foco sócio-educacional, além do clínico. Apresentaremos a técnica clássica do Sandplay (desenvolvida pelos terapeutas junguianos) e, em seguida, demonstraremos como desenvolvemos na nossa experiência, uma pesquisa de adaptação desta técnica no contexto do Psicodrama, tanto no bipessoal, quanto grupal e com casais, nos focos psicoterápico e sócio-educacional. Ilustramos este capítulo apenas com breves exemplos da aplicação deste jogo no contexto psicoterápico, na psicoterapia de casais e com uma criança.

Introduzindo…

Partimos da premissa de que, apesar de se constituírem teorias aparentemente distantes, aproximações podem ser feitas entre algumas técnicas desenvolvidas pelas abordagens Junguiana e Psicodramática (RAMALHO, 2002). Como antecedentes históricos, temos já na literatura psicodramática o exemplo do Psicodrama Interno, técnica psicodramática desenvolvida por Fonseca e Dias (1980), recebendo a influência da técnica da Imaginação Ativa de Carl Gustav Jung (1875-1961), entre outras. Este último privilegiou o trabalho espontâneo com as mãos para o desenvolvimento das “sementes criativas” do indivíduo, revelando que, quando há um alto grau de crispação e de rigidez do consciente, muitas vezes só as mãos são capazes de fantasiar, de criar de possibilitar o acesso a imagens inconscientes.

Por outro lado, Jung desenvolveu a técnica da Imaginação Ativa (já descrita no capítulo II deste livro), que toma como ponto de partida uma imagem de sonho ou de fantasia, em seguida solicita que o cliente desenvolva livremente o tema trazido pela imagem, utilizando não somente a palavra (o diálogo, o confronto com a imagem), mas também outras possibilidades: a dramatização, a dança, a escrita (inventar uma estória), a pintura, a criação de uma cena ou ritual, a modelagem, etc. Assim, ele instala, à semelhança de Jacob Levy Moreno (1889-1974) com o Psicodrama, a conjugação da imagem com a ação, promovendo o desdobramento do processo inconsciente.

O objetivo da Imaginação Ativa desenvolvida por Jung é o diálogo ou confrontação com imagens inconscientes, para que estas possam ser compreendidas e se alcance seus múltiplos sentidos, sejam eles ao nível do inconsciente pessoal, do co-inconsciente ou do coletivo. Nos casos de maior dificuldade emocional, como é o caso das psicoses, recomenda-se estabelecer-se uma comunicação inicial a nível não-verbal, pois a verbal só terá êxito quando o processo de crescimento e de elaboração do cliente estiver bastante adiantado (SILVEIRA, 1981:102).

Citamos o trabalho de Jung e em especial a obra de Nise da Silveira aqui no Brasil (1981), no Museu de Imagens do Inconsciente (Rio de Janeiro), como antecedentes históricos para a terapia na Caixa de Areia. Esta, por sua vez, é um exemplo de trabalho específico com a Imaginação Ativa e com uma realidade suplementar, e também parte do princípio básico de que a expressão plástica e criativa em geral é um eficaz e importante recurso terapêutico.

Porém, o estudo de imagens do inconsciente nos obriga a inserir uma nova visão científica e uma ampliada visão de homem. A adotar a visão de que o homem é um ser físico e metafísico, material e meta-natural, cultural e meta-cultural. A ver o homem como um ser cosmo-psico-bio-antropossocial, inserido na Natureza, na cultura e na diáspora global cósmica. Nos leva a revisar e ampliar os modelos da ciência psicológica e a usar um novo paradigma científico, que abarque a lógica a-causal, intuitiva, integradora. Assim, adotar uma visão eco-sistêmica-complexa (MORIN, 2001).

Segundo o próprio Jung, esta nova visão nos leva a promover a abertura da razão para outros saberes e aceitar a possibilidade da indeterminação, da incerteza, da imprevisibilidade e da sincronicidade. A ter coragem para investigar fenômenos tidos como não científicos pelo paradigma cartesiano (que é linear, apolíneo, mecanicista, simplificatório, reducionista, pois costumou dualizar razão/imaginação, sujeito/objeto, etc.). Assim, o psicoterapeuta deverá investigar as imagens e sombras do inconsciente sem os métodos racionais costumeiros, ou seja, estando aberto à utilização da arte como meio de acesso ao inconsciente (pessoal ou coletivo), não dissociando arte-vida-ciência.

A Socionomia de Moreno, por outro lado, parte da compreensão em redes de relações sociais, inserindo-se também no novo paradigma contemporâneo da complexidade, uma vez que focaliza a compreensão eco-sistêmica das realidades. Podemos afirmar que, para Moreno, o sujeito não é apresentado como origem, como algo pré-formado, acabado, como algo a priori; e sim como campo de produção, de subjetivação, campo que se define num espaço-tempo determinados, nas relações que vão se constituindo.

Afirma Edgar Morin (2001) que somos parte do cosmos, mas cada indivíduo com sua singularidade. O mundo está inscrito em nós. No universo, tudo está relacionado, a parte no todo e o todo na parte, ou seja, o universo está inscrito em nós. E nos afirma igualmente Moreno, que todos os seres humanos são infinitamente criadores e co-criadores num mundo de relações, independentes uns dos outros (singularidades), mas na inter-subjetividade e numa unidade com o cosmos. “Esta é a lei do universo: onde houver uma parte da criação, estará uma parte do criador, uma parte de mim” (MORENO, 1975, p 78).

Na Socionomia Moreniana, portanto, o grupo é atravessado pela transversalidade, cada indivíduo contém o grupo e é contido por ele. O indivíduo em uma sociedade é uma parte do todo, que intervém na sua história desde o nascimento, através de linguagens, normas, proibições, aprendizagens, desempenho de papéis, etc.

Enfim, afirmamos que Moreno e Jung, cada um através do desenvolvimento de teorias e metodologias próprias, talvez complementares, se aproximam nesta forma de pensar a complexidade dos fenômenos da natureza e do humano, inserido numa rede de relações. Moreno, centrado nas relações interpessoais e Jung, nas relações do homem consigo mesmo, mas ambos sem perder de vista suas relações mais amplas e transcendentes. Com isto, justificamos a direção desta pesquisa com o Sandplay Psicodramático, uma estratégia de trabalho que integra um pensar complexo e multidisciplinar, entre a obra psicodramática de J. L. Moreno e a obra da Psicologia Analítica de Jung.

Desenvolvendo…

A Terapia na Caixa de Areia (ou Sandplay) não é considerada uma simples técnica, mas uma forma metodológica de psicoterapia desenvolvida inicialmente pelos analistas junguianos. É uma forma de terapia não-verbal, vivencial, não racional, que visa atingir um nível mais profundo da psique. O jogo de areia foi idealizado por Margareth Lowenfeld em 1929, quando criou a Word Technique, introduzindo o brinquedo na relação analítica com crianças.

A analista junguiana suíça Dora Kalf, em 1956, aperfeiçoa a técnica de Lowenfeld e publica o livro Caixa de Areia: uma abordagem psicoterapêutica da psique. O seu método permite uma regressão criativa e facilita o processo de crescimento psicológico, através da expressão tangível, concreta e tridimensional dos conteúdos inconscientes. Assim, o Sandplay na abordagem Junguiana permite o fazer simbólico da psique, se constituindo num método psicoterápico do nível pré-verbal, pois as cenas representadas no cenário da Caixa de Areia são consideradas fotografias do inconsciente, naquele momento específico. Através da criação com as mãos, as forças se tornam visíveis e reconhecíveis, ou seja, o interior e o exterior de algum modo se conectam. Por outro lado, atua como um processo transformador da visão de mundo, levando a uma ampliação da consciência, a partir do confronto com os processos inconscientes (WEINRIB, 1993; AMMANN, 2002; FRANCO, 2003).

O Sandplay na Caixa de Areia se caracteriza por ser um jogo sem regras, com as seguintes características:

a) Equipamento: uma ou duas caixas retangulares, uma com areia seca outra com areia molhada. Dimensões: 72 cm x 50 cm x 7,5 cm. A caixa é cheia de areia clara, tem um fundo azul escuro (para imitar mar, rio) e as bordas são azul claro (para imitar o horizonte);

b) Miniaturas variadas, que são representações da realidade e do imaginário, ou seja, muitos objetos à mostra, simbólicos ou não, utilizados para re-criar o mundo. Quanto maior o número de miniaturas a disposição nas prateleiras, melhor. Deve incluir animais, vegetais, formas humanas diversas, figuras mitológicas, de contos de fada, objetos (dos mais simples aos mais simbólicos);

c) Nenhuma instrução rigorosamente é dada. Em geral, a caixa só deve ser oferecida após uma vinculação já estabelecida com o terapeuta, e quase nunca nas primeiras sessões. Se o cliente solicitar logo no início da terapia, o terapeuta deve explicar-lhe que a técnica aborda outra linguagem e que haverão sessões em que ela será necessária, para se utilizar uma outra forma de se comunicar, além dos desenhos, dos sonhos, etc.

1

Ao propor iniciar o trabalho na caixa, o terapeuta deve intervir, dizendo mais ou menos o seguinte: “Coloque as mãos na areia, e sinta-a, livremente… deixe que ela fale algo para você… Olhe os objetos ou miniaturas nas prateleiras, atentamente… Deixe os objetos lhe chamarem…. deixe-se atrair por eles. Pegue-os e construa uma cena ou cenário com eles na areia… Não pense muito, tente não racionalizar, nem se preocupar com a beleza… use a sua imaginação”. No final do trabalho, o terapeuta deve questionar: “Você quer falar alguma coisa ? Quer dar um título a este cenário ? Quer criar uma estória com ele ?”.

Integrando Sandplay e Psicodrama

Ao criarmos nossa adaptação da técnica junguiana para a abordagem psicodramática, realizamos uma pesquisa de longa duração (entre 2002 e 2004) com a aplicação da técnica em  diversas modalidades de atendimentos. Seguimos estas instruções originais da técnica clássica, mas, após a criação da estória, propomos ao cliente que ele dramatize a cena, se colocando inicialmente no papel de cada elemento escolhido e falando em nome dele, no “como se”, sendo pelo terapeuta entrevistado. Em seguida, solicitamos que inverta os papéis, e daí por diante podemos utilizar as demais técnicas básicas do Psicodramas, como por exemplo: o duplo, a entrevista nos papéis, solilóquios,  a interpolação de resistências, pedir que movimente as peças como desejar, usando a inversão de papéis promovendo confrontos entre as miniaturas, etc.

O cliente é encorajado a criar aquilo que desejar na caixa de areia (exemplos: um cenário qualquer, uma paisagem qualquer, passagens de sonhos, uma imagem de como sente uma relação interpessoal ou consigo mesmo, esculpir na areia livremente, etc.).

Consideramos o Sandplay é uma espécie de “imaginação ativa concreta”, mas que também permite o acesso a uma realidade suplementar. Observamos que a encenação na caixa pode revelar alguns complexos emocionais, a relação persona X sombra, papéis imaginários e de fantasia, que podem ser então trabalhados através da ação psicodramática.

Apesar de atrair muito às crianças, o adulto também brinca na caixa com seriedade, entrando num rito de iniciação do sentimento, do afeto e do mundo espontâneo-criativo da criança. Lembranças perdidas vêm à tona e aumenta a capacidade de distinguir o ilusório do real, uma vez que trabalha na “brecha entre a fantasia e realidade”. Por outro lado, favorece a catarse de sentimentos.

Após construir o cenário e construir posteriormente uma estória imaginária ou uma fantasia, propõe-se ao cliente o desenvolvimento de uma ação dramática em seguida. Porém, esta só se tornará mais eficaz se for desenvolvido um projeto dramático conjunto, entre terapeuta e cliente, com uma resolução dramática.

Assim, a técnica em si mesma pode se tornar também uma forma de reflexão, pois fomenta a sensibilidade para as imagens internas, condição para o relacionamento com o mundo interior, favorecendo a concentração relaxada. Ao se completar o cenário, a tensão é aliviada, toma-se consciência da condição interna exposta.

Enquanto psicodramatistas, ao utilizarmos o Sandplay como um jogo psicodramático, introduzindo a ação dramática na caixa, a ênfase para nós é a busca da dramaticidade, do conflito ou do tema protagônico a ser trabalhado. Partimos do princípio de que se compreende melhor uma ação se ela for dramatizada, vivenciada, experienciada, de preferência com efeito catártico integrador, pois isto facilita o processo de “objetivação do subjetivo”, e a passagem do imaginário ao simbólico.

Observamos como resultados da nossa pesquisa, que o jogo na Caixa de Areia ou o que denominamos de Sandplay Psicodramático, é um jogo livre em circunstâncias seguras, que contem dramaticidade e pode revelar conflitos, tal como se espera de um jogo psicodramático.

Ao contrário do Sandplay Junguiano, as cenas do Sandplay Psicodramático poderão ser desdobradas, recriadas e transformadas em novas cenas, a partir do desenrolar do role playing ou do jogo dramático. Pois, como afirmamos, o cliente vai sendo entrevistado, assumindo os diferentes papéis dos elementos/personagens expostos no seu cenário, além de desenvolvendo diálogos, confrontos, movimentos, criando novas cenas, etc. Pode inclusive recriar novos cenários a partir do inicial, no desdobramento de seu drama.

J. L. Moreno enfatizou o trabalho no plano do “como se”, que pode ser desenvolvido no nível de desenvolvimento de uma realidade suplementar. Ao experienciar este “plus de realidade” no Sandplay, o cliente pode vivenciar seus mitos pessoais e coletivos, sonhos, delírios e fantasias.

Utilizamos como sujeitos da nossa pesquisa uma grande variedade de clientes em diversas modalidades de atendimento. Observamos que a técnica é mais indicada para pacientes considerados “normóticos” e que se deve evitar trabalhar com boderlines e psicóticos, para não correr riscos de ativar um surto. No campo clínico, é uma técnica muito indicada para crianças, adolescentes e adultos, que apresentam conflitos existenciais e disfunções simples, depressões e deficiências em geral.

Observamos também que, na série de cenas, se detectam alguns aspectos que precisam ser vistos na parte verbal da terapia e nas demais dramatizações em cena aberta que podem se suceder. A própria atividade criativa já facilita o processo psicoterápico, evitando-se a interpretação intelectual dos cenários. Constatamos que o uso deste Jogo despertou a atividade onírica de alguns pacientes, incluindo nos seus sonhos alguns personagens escolhidos numa atividade anterior de Sandplay.

Por outro lado, foi surpreendente a aceitação desta técnica em grupos psiccoterápicos, com casais e grupos sócio-educativos, em especial em supervisões.

Enfim, como afirmam os junguianos (WEINRIB, 1993; FRANCO, 2003), observamos também que os símbolos constelados e representados na caixa têm uma função “curativa” natural, agindo como ponte para reconciliar os opostos envolvidos no drama apresentado. O ato criativo, por si só, pode nos mostrar os caminhos para o encaminhamento dos conflitos.

Aplicações do Sandplay Psicodramático:

No nosso trabalho com psicoterapia de grupo psicodramática, o Sandplay Psicodramático pode ser utilizado como um jogo dramático, como modalidade de aquecimento, de duas maneiras. Na primeira, é dada a ênfase no grupo como um todo. Após um breve aquecimento, coloca-se a caixa de areia no centro da sala e solicita-se que o grupo monte um cenário conjuntamente. Cada um escolhe suas miniaturas e as coloca na caixa, um de cada vez, sendo observado pelos demais, que complementam a imagem, silenciosamente. Neste momento é muito importante a consigna do silêncio, para não permitir um excesso de racionalidade egóica. Depois, constroem coletivamente uma estória, cada um acrescentando uma parte, à medida que e sentir aquecido para tal (conforme figura abaixo).

2

Figura 1: cenário de grupo.

Ao iniciar a dramatização, é permitido que cada participante use qualquer personagem ou elemento do cenário para representar e assumir um papel e prosseguir na dramatização. O participante que atua poderá ser entrevistado pelo terapeuta, que poderá fazer uso oportuno de técnicas básicas ( duplo, espelho solilóquio e inversão de papéis), enquanto a ação dramática se desenvolve e o tema protagônico se desdobra e se elucida.

Após o grupo construir coletivamente a estória e dramatizar o que for necessário, tenta entrar em consenso quanto ao seu título (ou títulos possíveis) e a um cenário final. Segue-se, após o consenso de que a dramatização pode chegar a um final definido pelo grupo, à etapa do compartilhar de sentimentos.

Na segunda forma de trabalho em grupo, é dada ênfase aos sub-grupos (quando o grupo é grande ou o momento grupal requer que se trabalhe a situação em subgrupos). Pedimos que cada subgrupo construa uma cena com miniaturas; em seguida, que crie sua estória e a encene (dramatize), ou no cenário do Sandplay ou em cena aberta, como preferir. Neste caso, o Sandplay é usado no contexto do Psicodrama como uma técnica de aquecimento para o trabalho psicodramático posterior, servindo para ativar e despertar temas protagônicos.

Adotamos o Sandplay Psicodramático em três contextos: 1) no contexto do psicodrama bipessoal, quando a ênfase é dada a um indivíduo, às suas relações consigo e com as figuras do seu mundo, à sua sociometria grupal interna, assim como à sua relação interpessoal com o seu terapeuta; 2) no contexto da psicoterapia psicodramática em grupo, quando a ênfase é dada ao indivíduo em grupo, ao grupo como um todo e às relações interpessoais presentes; 3) no contexto sócio-educacional, quando a ênfase é dada ao grupo social em questão, sendo muito utilizado em supervisões clinicas; 4) no contexto da relação conjugal, na terapia de base psicodramática com casais.

Observamos que o clima de aplicação do jogo deve ser de aceitação incondicional, sem confronto, intelectualização ou interpretação. O desenvolvimento de uma relação mais télica entre terapeuta e cliente deverá já ter sido iniciado no processo terapêutico. A meta também é fornecer um espaço acolhedor, relaxado, materno, uma espécie de “útero psicológico”. A ênfase na experiência, além da representação simbólica concreta do mundo interior, converte a fantasia numa realidade tridimensional, suplementar. Isto ajuda a fixar e concretizar (objetivar o subjetivo) e a fantasiar.

Na nossa experiência, o Sandplay Psicodramático tem despertado em especial o interesse de grupos terapêuticos, por possibilitarem a emergência de conflitos pessoais e interpessoais, revelarem tramas e questões de subgrupos, questões que permeiam o co-inconsciente grupal. Tem sido um jogo bastante solicitado espontaneamente pelos pacientes, que afirmam de vez em quando sentirem, inclusive, “saudade” dos cenários, ou do simples fazer cenários e criar estórias como forma de aquecimento no início da sessão, como forma de avaliar subjetivamente o tratamento, de mobilizar novos conteúdos, etc.

Utilizamos esta estratégia de trabalho com o foco sócio-educacional, para trabalhar a supervisão de alunos do curso de Formação em Psicodrama na PROFINT/SE, aquecendo para que este entre no papel de seu cliente e, desenvolvendo na caixa um cenário que este (seu cliente), poderia desenvolver. Outra forma é solicitar que ele crie um cenário que represente a sua relação com o seu cliente. Assim, podemos analisar como o terapeuta internalizou as imagens internas do seu cliente, verificar melhores estratégias de trabalho, fatores télicos e transferenciais, impedimentos, defesas, etc.

Outro caminho utilizado é a inserção deste jogo no trabalho do Psicodrama aplicado ás organizações, quando solicitamos que, por exemplo, numa escola, os professores desenvolvam cenários em grupo, focalizados nas questões institucionais. Estas experiências favorecem a emergência do co-consciente e do co-inconsciente grupal, assim como a emergência de temas protagônicos a serem trabalhados coletivamente.

Exemplos do uso do Sandplay Psicodramático no contexto clínico:

1. No Sociodrama de Casais:

Este jogo, na modalidade psicodramática, também é aplicado no contexto do sociodrama de casais. Como instrução inicial, propomos que o casal construa (juntos ou em separado) um cenário representando sua relação. Quando os cenários são feitos em separado, cada um pode dar um título ao seu cenário, contar uma estória, dramatizar e, em seguida, procede-se ao compartilhamento de percepções mútuas e sentimentos. Quando o cenário é construído conjuntamente, a estória e o título também o são.

Temos analisado qualitativamente os resultados de cada casal em atendimento e observamos que, o revelar simultâneo de certas imagens internas pode possibilitar ao casal uma percepção nova e diferente do relacionamento, onde aparecem elementos significativos que serão temas durante o processo terapêutico em curso. Além de concretizar a dinâmica do casal, pode ser um valioso instrumento exploratório (em psicodiagnóstico).

A caixa da areia se apresenta como um setting físico e simbólico continente para os problemas do casal. Facilita que os conteúdos do co-inconsciente conjugal e do inconsciente pessoal sejam expressos, assim como as imagens arquetípicas do inconsciente coletivo, que perpassam a relação conjugal ou são constelados, em determinado momento.

Por outro lado, possibilita que a emergência de padrões de comunicação presentes na relação conjugal, principalmente os não verbais. Assim, o Sandplay Psicodramático viabiliza a interação não verbal entre o casal e promove a conscientização de aspectos desconhecidos da relação. Observamos, por exemplo, os símbolos da aliança conjugal e as motivações inconscientes para a escolha do cônjuge. Para ilustrar este processo, relatamos brevemente um momento da terapia de um casal por nós atendido.

Era um casal de noivos que estava se relacionando há oito anos, mas ainda não haviam se casado. Ele tinha 32 anos e ela 29, profissionais liberais, de classe média. Ela se queixava do excesso de possessividade e desconfiança dele; ele, por sua vez, se queixava da indiferença e grosserias dela. Estavam construindo uma casa e procuraram a psicoterapia por se sentirem inseguros quanto à decisão do casamento futuro.

Na 4ª. sessão foi proposto pela terapeuta que construíssem um cenário na caixa de areia e eles preferiram fazer dois cenários em separado, ao invés de apenas um, conjuntamente. Ela se adiantou e fez o seu, deu o título de “Sem Esperanças”, e criou sua estória. Solicitada pela terapeuta, incorporou os papéis de alguns personagens que criou e, em seguida, foi entrevistada nos papeis destes. Ambos compartilharam e comentaram o seu cenário. Terminou sua cena chorando, afirmando sentir-se “cansada e sem esperanças de que ele pudesse mudar” (sic).

Em seguida, o noivo construiu o seu cenário (vide figura 2), que incluiu, em sequência, as miniaturas: 1) Mini escultura “La Pietá”; 2) uma boneca, vestida como profissional (e de costas para a imagem anterior); 3) um barco no mar; 4) a imagem de Jesus crucificado; 5) a imagem da deusa da Justiça (vida profissional dele); 6) uma casa com um jardim; 7) duas crianças (2 filhos); 8) um casal (lado a lado).

Criou a estória de um homem que “era feliz e recebia muito apoio da mulher, mas que fora abandonado pela mesma, e teve de atravessar sozinho uma crise emocional, só confiando em Jesus Cristo neste momento” (sic). Fora abandonado pela mulher, mas que sonhava, no futuro, passar num bom concurso na sua profissão, casar com ela e ter filhos.

Ao comentarem sobre o cenário do homem ele revelou que, no início (nos 5 primeiros anos de relacionamento), a noiva realmente o “carregou no colo” (sic), pacientemente, e o ensinou a amar (referiu-se à miniatura 1). Depois, comentou que ela lhe virou as costas, ficou rude e impaciente (referiu-se à miniatura 2). Daí, ele teve de atravessar um “mar bravio e a noite escura da sua alma, sozinho, sendo apoiado pela sua fé e pelo senso de justiça” (sic). No entanto, afirmou que nos 5 primeiros anos ele a traía muito, tinha outras mulheres e ela o aceitava, compreendendo e esperando que ele amadurecesse.

Ela, muito inquieta, fez uma intervenção neste momento e afirmou que, hoje, se encontra cansada deste papel de “mãe boazinha dele” (sic). A terapeuta pontuou que a imagem escolhida por ele, a miniatura 1, da famosa escultura “La Pietá”, era representativa de uma relação protetora mãe e filho. Ele, surpreso, disse não ter lembrado disto, conscientemente, ao escolher tal miniatura.

Passou em seguida a relatar a sua história de relação com sua mãe, que antes era protetora em excesso para com ele, mas que “lhe virara as costas” (sic), após ele não ter correspondido às suas vontades, nem seguido os projetos que ela sonhara para ele. Sentiu-se rejeitado pela mãe e deprimido. Associou neste momento à sua necessidade de que sua namorada o aceitasse em tudo, suprisse as carências dele, e à sua eterna desconfiança do afeto incondicional dela (como transferência materna). Viu o quanto cobrava da namorada o que antes possuía da mãe: mimos, aceitação incondicional e atenção exclusiva.

3

Figura 2: cenário do noivo.

A terapeuta pediu em seguida que ela entrasse em cenário dele e se colocasse, se ele permitisse. Como ele permitiu, ela mexeu nos bonecos que estavam lado a lado (miniatura 8) e os colocou frente a frente, iniciando um confronto verbal com ele, colocando os bonecos no centro da caixa. Entrou no papel da boneca (ela) e verbalizou o que precisava dele: ser colocada agora no colo e compreendida no seu cansaço. Queria ser reconhecida “não como a mãe dele, mas como a sua mulher” (sic). Ele respondeu entrando no papel do boneco que representava ele e, depois, conduzidos pela terapeuta que se utilizou das técnicas do duplo e da inversão, vivenciaram uma verdadeira inversão de papéis.

Concluíram esta sessão emocionados e abraçados, compartilhando suas percepções e necessidades mútuas. Afirmaram que não queriam se apegar a um projeto idealizado de casamento futuro, não podiam alimentar “esperanças”, sem antes se conhecerem melhor, reconhecerem as sombras e complexos pessoais que afetam a relação, etc. Afirmaram que a sessão com o Sandplay foi bastante elucidativa para clarear um conflito central da relação do casal.

2. No Psicodrama com crianças:

As crianças naturalmente já chegam ao setting terapêutico aquecidas, inclusive para um trabalho com a caixa de areia. Desde a 1ª sessão, ao entrar na sala, correm para frente da estante onde se encontram as miniaturas, olham cada uma atentamente, encantadas e surpresas por terem ido se consultar com uma pessoa cheia de brinquedos, ou seja, uma pessoa que “gosta do que elas gostam” e que entende o seu mundo infantil. Elas não se importam em se sujar ao mexer na areia, pelo contrário, são atraídas por esta. São mais abertas ao lúdico, já estão preparadas para a brincadeira, pois sua flexibilidade, liberdade, espontaneidade e criatividade são genuínas. Sua mente ainda não está habitada pelo excesso de conservas culturais, de princípios morais que cristalizam suas ações, em geral são livres pra criar.

Já vimos neste capítulo como as técnicas psicodramáticas são aplicadas à caixa de areia, da construção do cenário à criação de uma estória. Na nossa experiência, as crianças demonstram mais facilidade em montar o cenário deixando fluir suas imagens inconscientes e um pouco de dificuldade quando damos a consigna de “criar uma estória”. Ficam paradas e um pouco confusas se aquilo faz parte mesmo de uma brincadeira, pois agora passamos para um momento mais verbal. No entanto, elas criam as estórias com mais facilidade e espontaneidade a partir do “Era uma vez…”, pois retomamos o imaginário quando usamos este termo, o que também torna o ambiente da caixa de areia mais seguro e livre para os sentimentos e os conflitos surgirem.

As crianças menores geralmente não fazem a ligação entre sua vida real e os personagens no momento em que estão criando a estória, o que os adultos fazem com facilidade e com freqüência.

Observamos durante as experiências com caixa de areia, que este instrumento terapêutico funciona como objeto intermediário e lúdico facilitador na interação com a criança. Crianças mais tímidas, introspectivas ou com dificuldades na comunicação participam ativamente de todo processo na caixa de areia. A caixa é como um útero seguro, no qual as crianças ficam à vontade, externam conflitos reprimidos e, muitas vezes, obscuros à própria consciência.

Acompanhando o caso de uma linda menina de 10 anos, surpreendemo-nos quando em uma caixa de areia ela escolheu duas miniaturas, uma caveira e uma bailarina, colocou-as centralizadas uma de frente pra outra e disse que ambas a representavam. A garota explicou seu cenário: a caveira era como ela se percebia, gordinha, feia, com notas baixas, menos inteligente que seu irmão, que não gosta de fazer balé. Era também como ela estava se sentindo, com angústia, tristeza, infeliz. Já a bailarina, era como a mãe dela gostaria que ela fosse. Trabalhar esta imagem dualizada dela mesma, assim como a relação mãe-filha a partir da construção do cenário da caixa, foi mais suave e significativo para a menina do que verbalmente.

É importante estar atento à postura do terapeuta diante das crianças. Não fingir nas brincadeiras, ser espontâneo tanto quanto possível, pois a criança sente quando o adulto está fingindo brincar e, automaticamente, se retrai ao compartilhar dados de sua história de vida.

Retomando outro caso, após a entrevista com os pais na 1ª sessão, tivemos o primeiro contato com Marcos (nome fictício), um cliente de quatro anos, na 2ª sessão. Ele era magro, sorridente, comunicativo e ativo. O motivo da busca pela psicoterapia foi sua dificuldade de aprendizagem na escola. Durante dez sessões, tanto nos jogos, no uso do sandplay na caixa de areia e na dramatização de um sonho, percebemos o quanto o mundo interno de Marcos estava conflituoso, deixando-o com dificuldades de atenção e concentração e com agitação psicomotora. A queixa da professora de Marcos era a hiperatividade, pois ela não conseguia mantê-lo em sala de aula. .

Na entrevista com os pais, relataram que durante estes primeiros anos de vida de Marcos eles não iam para a praia, não o deixavam tocar em animais e nem no chão, só a partir dos 2 anos, o que o fez andar mais tarde; mas, os pais não reconheciam isso como explicação para tal fato. A mãe não trabalhava, tinha mania de limpeza e percebia os problemas do filho em casa e na escola, tomando a decisão de seguir a sugestão da professora de procurar ajuda em psicoterapia. O pai trabalhava e passava o dia fora de casa, mas discordava com a necessidade de psicoterapia. Os pais lhe podavam atitudes de amadurecimento, uma vez que ainda dormia entre os pais e fazia uso da mamadeira constantemente, até para beber água.

Numa sessão, Marcos pegou vários meios de transportes em miniaturas, carros, aviões, helicópteros, caminhões e barcos, virou todos de cabeça para baixo e os cobriu de areia (os enterrou). Demonstrou um turbilhão de interesses e vontade de acabar logo aquela estória para passar para a próxima brincadeira. Ao perguntar o nome daquela brincadeira, ele respondeu “Tá tudo morto” (sic). A terapeuta perguntou: “Como assim, está tudo morto?”; e ele respondeu: “Sou eu, tá tudo morto, acabou. Não quero mais” (sic). Essas imagens inconscientes de destruição interna foram projetadas em cada miniatura enterrada.

Como conseqüência da mobilização do trabalho na caixa da sessão anterior, na seguinte Marcos nos trouxe um sonho, que trabalhamos com dramatização, contribuindo assim para desvendar conteúdos inconscientes e seus complexos. Portanto, na sessão seguinte a esta caixa de areia, Marcos chegou dizendo que teve um sonho e que queria contar: “O papai atropelava a mamãe, ela caía, jogada na calçada e morria…”(sic).

Sugerimos fazer de conta que o sonho estava acontecendo naquele cenário. Solicitamos que ele recriasse a cena do sonho de onde ele parou, utilizando a técnica da extensão psicodramática do sonho, utilizando a realização simbólica e a realidade suplementar, para aliviar a tensão presente naquela cena. Então, na cena, ele vivia os papéis e ia verbalizando: “Eu viro médico, de repente, para salvar a mamãe… e depois bato no papai…”

Durante a encenação, sugerimos algumas inversões de papéis entre Marcos, o pai e a mãe. Foi uma dramatização diferente, em ritmo acelerado, com muita ação, na qual a terapeuta e a criança jogavam e invertiam os papéis, num jogo que representava um drama intenso da vida da criança.

Neste sonho, ele entrou em contato com o medo de perder a mãe e de que o pai ocupe todo amor da mãe, tomando-a só pra ele; além dos sentimentos de culpa se não conseguisse proteger e salvar a mãe. Pois, com apenas 4 anos, quando o pai sai pra trabalhar ele se sente responsável em tomar conta da casa.

Nas sessões seguintes trabalhamos os limites que não eram colocados pelos pais para esta criança: limites de horário, de arrumar brinquedos, de cuidado com os brinquedos e miniaturas, além do manuseio com a areia, não pular em cima das poltronas, nem espalhar almofadas, ter hora para cada coisa, etc. No manuseio da caixa, com areia e miniaturas, trabalhamos as regras, os limites que Marcos precisava desenvolver. Ele sempre questionava e ficava inquieto na poltrona, mas o interesse pelo jogo do Sandplay o fazia superar tal dificuldade. Muitas vezes o cenário da caixa era rapidamente abandonado e passava a ser dramatizado em cena aberta, com Marcos assumindo o enredo e os papeis das miniaturas antes escolhidas.

A disposição do terapeuta no trabalho com crianças é essencial, pois a dramatização é espontânea, sem freios e sem vergonha de falar o que sente.No início de algumas sessões, realizamos exercícios de relaxamento com músicas suaves e propomos breves internalizações, com o objetivo de aquecer a criança para dramatização/desenvolvimento da sessão e trabalhar a atenção e concentração também durante as atividades de Sandplay.

No nosso entendimento do psicodrama com crianças é importante trabalhar também o compromisso dos pais e a co-responsabilização destes com o processo. E talvez, eventualmente trabalhar com o Sandplay o desenvolvimento do papel de pais, solicitando que eles montem cenários de como se sentem neste papel, cenários da família, etc. Neste caso, o uso de temas pré-estabelecidos pode ajudar na objetivação do subjetivo e facilitar na visualização de novos focos a serem trabalhados com a criança.

Finalizando…

Enfim, revendo o percurso do Psicodrama e pensando nas suas perspectivas futuras, acreditamos que este tem muito a crescer quando os psicodramatistas ousam não apenas reproduzir as técnicas já existentes, mas tentam criar novas técnicas, na interface com outras abordagens existentes, que trabalhem no sentido de desenvolvimento do homem espontâneo-criativo, num exercício de trans-disciplinaridade. Abordagens que, como o Sandplay, visam captar imagens inconscientes, compreendendo-as através da multiplicidade dos itinerários humanos lógico-racionais e mítico-imaginários.

Concluímos com nossa pesquisa que a técnica do Sandplay pode ser uma excelente auxiliar no processo psicodramático. Observamos que ela pode ser um jogo dramático que encerra muitas vantagens, especialmente para o psicodramatista tímido ou para o cliente que ainda não esteja familiarizado com a dramatização em cena aberta, que prefere não se movimentar muito ou está impossibilitado de assim proceder.

A técnica mantém, até certo ponto, as possibilidades da ação dramática, pois não envolve o corpo do paciente, esta sendo a sua maior desvantagem; mas, em contrapartida, oferece novas possibilidades de jogar com as imagens, mais amplas e ricas, tridimensionais, principalmente se o número de miniaturas disponíveis nas prateleiras do terapeuta for grande e variado, suscitando um número maior de associações e despertando a intuição conjunta do par terapeuta-cliente. Neste sentido, ultrapassa o valor do desenho, pois supera a dificuldade do saber desenhar, embora seja um recurso plástico, cenográfico, escultural. As miniaturas funcionam também como excelentes egos auxiliares no psicodrama bipessoal, que carece deste recurso.

Nos trabalhos grupais, tanto no foco psicoterápico quanto no sócio-educacional, observamos que favorece a emergência das questões co-inconscientes que atravessam as relações interpessoais, muitas vezes revelando também a constelação de questões arquetípicas e sincrônicas.

O que não podemos perder de vista no trabalho com esta estratégia terapêutica é a visão filosófica que a fundamenta, a postura psicodramática e seus conceitos teórico-técnicos básicos, que inclui o desenvolvimento da espontaneidade, da tele, a promoção do lúdico, o privilégio dado ao jogo no “como se” visando o Encontro Existencial. Não devemos esquecer o contato com a perspectiva de seus vínculos sociais e o desenvolvimento de seus diversos papéis, nos diferentes contextos. Se, para J. L. Moreno, o Psicodrama é a busca das verdades veladas por métodos dramáticos, ele nos deixou o legado de continuar a sua obra, recriando-a através do desenvolvimento de novos caminhos.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:

AMMANN, Ruth. A Terapia do Jogo de Areia – imagens que curam a alma e desenvolvem a personalidade. São Paulo, Paulus: 2002. CAPRA, Fritjof. As Conexões Ocultas – Ciência para uma vida sustentável. São Paulo, Cultrix: 2002.CAPRA, Fritjof. O Tao da Física – um paralelo entre a Física Moderna e o Misticismo Oriental. São Paulo, Cultrix: 1975.

CUKIER, Rosa. Psicodrama Bipessoal – teoria e técnica. São Paulo, Agora:2000.

GRINBERG, Luis Paulo. Jung, o homem criativo. São Paulo, FTD: 1997.

FONSECA FILHO, J. de S. Psicodrama da Loucura – correlações entre Buber e Moreno. São Paulo, Ágora: 1980.

FRANCO, Aicil. O jogo de areia: uma intervenção clínica.São Paulo: s.n., 2003 (252 pp). Dissertação (mestrado) – Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo. Departamento de Psicologia Clínica.Orientadora: Elizabeth Batista Pinto Wiese.

LE BOULCH, Jean. O desenvolvimento psicomotor: do nascimento aos 6 anos – A psicocinética na idade pré-escolar. 7ª Edição. Porto Alegre: Artes Médicas, 2001.

MACIEL, Corintha. Mitodrama. São Paulo, Ágora: 2000.

MORENO, J. L. Psicodrama. São Paulo, Cultrix: 1975.

MORIN, Edgar. A Religação dos Saberes: o desafio do século XXI. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil: 2001.

PENA-VEGA & NASCIMENTO. O Pensar Complexo – Edgar Morin e a crise da Modernidade. Rio de Janeiro, Garamond:1999.

WEINRIB, Estelle. Imagens do Self: o processo terapêutico na Caixa de Areia.São Paulo: 1993.

RAMALHO, Cybele. Aproximações entre Jung e Moreno. São Paulo. Ágora, 2002.

SILVEIRA, Nise. Imagens do Inconsciente.Rio de Janeiro, Alhambra: 1981.

SILVEIRA, Nise. Jung: vida e obra. 17ª. Edição. Rio de Janeiro. Paz e Terra:1997.

As autoras:

1. Cybele Maria Rabelo Ramalho – psicóloga, psicodramatista didata e supervisora, diretora da PROFINT/SE, especialista em Psicoterapia Analítica, professora da Universidade Federal de Sergipe, autora do livro “Aproximações entre Jung e Moreno”(2002) e co-autora do livro “Descobrindo enigmas entre heróis e contos de fadas – entre a Psicologia Analítica e o Psicodrama” (2008). Endereço: Praça da Bandeira, 465, sala 407, Aracaju, SE. CEP: 49010470. Fone (79) 32144360 e 99872693. E-mail: rabelo.ramalho@hotmail.com.

2. Vanessa Ramalho Ferreira Strauch – psicóloga, psicodramatista (PROFINT/SE), atualmente atuante no Núcleo de Apoio à Saúde da Família (NASF) em Salvador/BA e com especialização em Saúde Pública. Endereço: Av. Oceânica, 2411, apto. 205, Edf. Costa do Sol, Ondina. Salvador / BA. E-mail: ramalhonessa@uol.com.br.